Blog

ALIF: A cirurgia de artrodese da coluna pela via anterior. Uma nova/consagrada técnica

por | set 10, 2018 | Cirurgia da Coluna, Notícias | 1 Comentário

Esta cirurgia não é nova, porem foi esquecida durante alguma tempo e atualmente ganha nova força e novas indicações, pois a técnica cirúrgica melhorou e a tecnologia envolvida na confecção dos implantes também evoluiu muito.

A indicação da artrodese pela Via Anterior com utilização de dispositivo intersomatico ALIF,  que é um calço colocado entre as vértebras está bem descrito na literatura médica mundial e vem ganhando cada vez mais adeptos pelas vantagens apresentadas pelo método. Ela é feita pela região abdominal, ou seja,  pela parte da frente da coluna. Muitos pacientes se questionam como pode ser feito uma cirurgia pela frente e qual a vantagem em relação a técnica tradicional, que é realizada pelas costas?

 

A artrodese intersomatica lombar anterior (ALIF) oferece varias vantagens potenciais com relação a outros acessos cirúrgicos, entre eles a possibilidade de realizar discectomia completa- retirar muito mais disco (mais significativa que a realizada pela via posterior). Além de posssibilitar grande área de superfície para que a artrodese aconteça  e se insira o enxerto ósseo. Esta técnica é efetiva para tratar os problemas de deformidade da coluna e é capaz de realizar descompressão de estruturas nervosas através de métodos diretos e indiretos.

 

 

 

Com o passar dos anos e avanços no conhecimento das estruturas, a técnica foi aprimorada e houve algumas modificações, o que melhorou e minimizou danos às estruturas adjacentes, principalmente por poupar e não lesão as estruturas musculares. Essas mudanças permitem uma recuperação mais rápida, já que a cirurgia minimamente invasiva do ALIF não envolve tanto sangramento, e é feita em menor tempo, o que diminui as chances de complicações tanto durante a cirurgia quanto no pós-operatório.

A cirurgia do ALIF pode ser realizada através de tecnologias minimamente invasivas, que permitem que os cirurgiões acessem as vértebras afetadas através de pequenas incisões, utilizando marcos da anatomia, iluminação e instrumentos cirúrgicos especiais.

 

 

O período de recuperação vai variar de acordo com a capacidade do seu corpo em se recuperar e que a fusão entre as vertebras ocorra de forma efetiva.

Os pacientes normalmente ficam no hospital poucos dias, e o uso de coletes poderá ser recomendado. No tempo adequado a fisioterapia será iniciada para adequada reabilitação. Os avanços na técnica cirúrgica permitem a melhora dos resultados, menor tempo de internação hospitalar e um período de recuperação mais rápido, proporcionando independência na realização de atividades pelos pacientes

 

Procure um especialista

Dr. Alynson Larocca Kulcheski- CRM 24934. Ortopedista da Coluna. Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), Membro da Sociedade Brasileira de Coluna (SBC) e Membro da Sociedade Brasileira de Coluna Minimamente Invasiva (SBC.MISS)

Compartilhe esse post:

Dr. Bernardo Ferreira da Luz

Dr. Bernardo Ferreira da Luz

CRM/PR 24331 RQE 16891 TEOT 13101. Formado pela UFPR, concluiu sua residência médica em Ortopedia e Traumatologia no Hospital de Clínicas e Hospital do Trabalhador.⠀ Possui especialização em Traumatologia Esportiva e Artroscopia do Joelho pela UFPR e participou de programa Fellowship em Cirurgia do Esporte em Lyon na França com Dr Bertrand Sonnery-Cottet.

1 Comentário

  1. Marcelo Xavier

    Reitero que é muito bom saber que além das terapêuticas farmacológicas e cirurgicas tradicionais existem outras abordagens nutricionais, dietéticas e de suplementação que podem contribuir com o tratamento das enfermidades de coluna.
    agradecido

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.